Categorias C, D e E passaram a ter necessidade do exame toxicológico | Foto: Divulgação/OA

A exigência do exame toxicológico para motoristas profissionais já provocou o bloqueio de 3.263 Carteiras Nacionais de Habilitação (CNHs) no Rio Grande do Sul. Não há laboratórios credenciados suficientes para suprir a demanda, o que gera o impasse e a perda de carteiras.

O Detran/RS entrou na Justiça para conseguir liberar a renovação e adição de categoria sem a necessidade da realização do exame. São Paulo, Mato Grosso do Sul e Goiás já conseguiram a aprovação deste pedido.

O exame toxicológico passou a ser obrigatório no início deste mês, em 2 de março. Motoristas das categorias C, D e E precisam realizá-lo ao renovar a CNH ou ao mudar de categoria. É detectado o consumo de drogas no período de até 90 dias.

No Rio Grande do Sul, 884.147 motoristas foram afetados com a mudança. No último ano, 178.164 processos de renovação ou mudança de categoria foram realizados. Todos estes seriam bloqueados atualmente pela falta do exame.

Fonte: O Alvoradense