O empresário e presidente da Associação Comercial e Industrial de Alvorada (Acial), Maurício Cardoso, se mostrou contrário ao aumento de 100% no valor do IPTU. Cardoso questiona os critérios utilizados para se chegar ao valor, bem como a falta de um debate com a população sobre o tema.

• Leia mais: Secretário da Fazenda afirma que aumento foi um “reequilíbrio mínimo”

“Lamentavelmente em meio ao feriado de Natal, os vereadores em sua maioria aprovaram. [O critério utilizado pelo] poder público não justifica como um imóvel que pagava R$ 672 vai passar a pagar R$1.933, aumento de 187%.”

Para o empresário, o ideal seria fazer um aumento gradativo, recuperando aos poucos as perdas, descontando a inflação do período. Maurício Cardoso estranha ainda os critérios utilizados para se chegar aos novos valores. “Quem é essa empresa terceirizada que fez esse levantamento? Quando foi feito esse levantamento? foi levado em consideração a perda de valor do dinheiro no tempo?”, questiona.

O presidente também questiona a aplicação do imposto. “Se ao menos os serviços públicos fossem condizentes com o que pagamos de impostos, talvez pagaríamos sem discussão. Mas infelizmente não temos nenhuma reciprocidade, pagamos muito caro pelos serviços que não recebemos.” Ele também acredita que contribuintes poderão deixar de pagar o imposto. “Talvez seja esse o desfecho dessa lei arbitraria e imoral, o aumento significativo da inadimplência.”

Fonte: O Alvoradense