Embarque e desembarque de passageiros será no Cais do Porto e não mais da Usina do Gasômetro como havia sido anunciado ontem (04) | Foto: Joel Vargas / PMPA / Divulgação / OA
Embarque e desembarque de passageiros será no Cais do Porto e não mais da Usina do Gasômetro como havia sido anunciado ontem (04) | Foto: Joel Vargas / PMPA / Divulgação / OA

No décimo dia de greve dos rodoviários e em mais uma alternativa para tentar amenizar os efeitos da greve a Prefeitura de Porto Alegre e a Porto Cais Mauá do Brasil SA, responsável pelas obras de restauração do Cais Mauá entraram em um acordo para liberar o embarque e desembarque de passageiros dentro da área portuária da Capital a partir desta quarta-feira (05).

“Queremos colaborar com os moradores das ilhas que não conseguem se locomover para trabalhar. Desta forma, as pessoas terão fácil acesso ao centro da cidade”, afirmou André Albuquerque, diretor do consórcio Porto Cais Mauá.

A prefeitura contratou barcos de turismo para fazer o transporte. O ponto de embarque e desembarque passa a ser o Pórtico Central, em vez da Usina do Gasômetro, como ocorreu nesta terça. A estimativa é beneficiar cerca de 10 mil pessoas.

A hidrovia começou a funcionar às 13h e, no primeiro dia, teve procura reduzida. A tarifa nos barcos custa R$ 4. O trajeto vai da Colônia Z5, na Ilha da Pintada, até o Centro da Capital. Embora cada primeira viagem comporte 150 passageiros, poucos moradores mostraram interesse no transporte.

As viagens de Porto Alegre para a Ilha ocorrem nas horas impares e, no sentido contrário, nas horas pares, exceto em horários de pico. Nesta quarta-feira, o primeiro horário da Ilha para Porto Alegre foi o das 6h.

Ônibus voltam para a garagem após apedrejamento
O começo da manhã desta quarta-feira chegou a ter onze ônibus d consórcio STS circulando pelas ruas da Capital, mas após apredrejamento de, pelo menos, um deles os veiculo retornaram às garagens.

De acordo com a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), os veículos saíram das garagens Belém Novo e Viação Teresópolis Cavalhada.

Nesta manhã, rodoviários favoráveis à greve fazem piquetes nas frente das garagens evitando que novos ônibus circulem na Capital. As alternativas de transporte seguem sendo lotações, vans escolares e embarcações (Ilha da Pintada/Cais Mauá). A tarifa de todos a partir desta quarta-feira é de R$ 4.

Um nova reunião com no Tribunal Regional do Trabalho entre rodoviários e empresários para tentar se chegar a um consenso deve ser realizada na tarde desta quarta.

Após conversar com líderes da categoria, a vice-presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS), desembargadora Ana Luiza Heineck Kruse, tinha a intenção de marcar uma audiência para o final da tarde dessa terça. Porém, em contato preliminar, o sindicato patronal informou que não havia clima para qualquer negociação.

As concessionárias exigem cumprimento da liminar de 70% de frota na rua, algo que o sindicato dos rodoviários descartam, devido à rejeição em assembleia.

Fonte: O Alvoradense / Com informações do Correio do Povo