O secretário-chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, garantiu que o governo não irá retirar o projeto de lei que reajusta em 23,5% o salário do magistério, pois, acredita na unidade da base aliada para a aprovação da proposta, amanhã, na Assembleia Legislativa.

Já o Cpers- Sindicato não quer o reajuste, mas sim o pagamento imediato do Piso nacional, que está em R$ 1.451.  A direção do Cpers pediu para que as escolas fechem as portas e os professores se dirijam a Porto Alegre para pressionar os deputados a não votarem no projeto do governo estadual.

Com o impasse, a paralisação proposta pelo sindicato para esta terça-feira deverá também atingir Alvorada. Das dezessete escolas estaduais do município, oito vão aderir a paralisação, cinco apenas parcialmente, três vão definir amanhã e somente uma, a escola Antônio de Castro Alves continuará com as atividades normalmente.

 

Fonte: O Alvoradense