O prefeito de Alvorada, João Carlos Brum, afirma estar indignado com a recomendação da sua prisão pelo delegado Joerberth Pinto Nunes, da Delegacia de Polícia de Repressão aos Crimes contra a Fazenda Estadual (Defaz), do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

Brum e outras 17 pessoas investigadas na Operação Cartola, entre eles chefes do Poder Executivo, servidores públicos e empresários, tiveram a prisão sugerida pelo delegado da Defaz ao entregar o relatório final da investigação, organizado em 20 volumes e cerca de 4.500 páginas.

“Tenho certeza que é perseguição política”, afirmou o prefeito em entrevista a’O Alvoradense. “Quem é esse delegado e quem o colocou lá? Isso é perseguição política sim, visando desgastar o governo municipal”, frisou Brum que afirma não dever nada a ninguém.

O descontentamento do prefeito recai sobre o ato de “sugestão” do delegado, que na opinião de Brum não tem poderes para isso. “O delegado sugeriu, mas quem é ele para sugerir prisões?”, questionou. “As declarações do delegado são absurdas e sem fundamento. O objetivo é nos fazer perder a eleição, mas o povo confia em nós”, concluiu.

Brum afirmou ainda que acredita na justiça e que tem certeza de que num prazo máximo de dois ou três anos tudo deverá estar esclarecido.

Fonte: O Alvoradense