Anuncio foi feito em entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira | Foto: Jonathas Costa / OA

Parte do futuro secretariado do prefeito eleito Sergio Bertoldi (PT) foi anunciado na tarde desta quarta-feira em entrevista coletiva. Ao lado da deputada estadual Stela Farias, e dos vereadores eleitos Schumacher e Juliano Marinho, Serginho afirmou que o quadro de secretários estará completo nos próximo dias e adiantou que nomes da oposição podem surgir no processo.

Duas secretarias de destaque foram confirmadas nesta tarde, entre as seis pastas anunciadas. São elas a da Educação, sob o comando de Alexandre Virginio, e a de Mobilidade e Segurança Urbana, que contará com Fernando Ramalho.

Marcus Thiago, que foi reeleito vereador, vai assumir a Secretaria Municipal de Governo, um cargo que segundo Stela deve se assemelhar as funções da Casa Civil do governo do estado. A Secretaria de Administração estará nas mãos de Ramiro Passos, e Airton Alminhana assume a Secretaria do Trabalho, Assistência Social e Cidadania.

Na Secretaria-Geral de Gabinete estará Clair Gabana, a única mulher confirmada até o momento para assumir uma secretaria. A exclusividade, no entanto, não deve durar muito tempo. A presidente municipal do PSD, Jussara Mendes, foi convidada para assumir uma pasta.

Os seis novos secretários anunciados hoje da esquerda para direita: Ramiro Passos, de Administração, Marcus Thiago, de Governo, Clair Gabana, de Gabinete, Airton Minhana, do Trabalho, Fernando Ramanho, de Mobilidade e Segurança, e Alexandre Virginio, de Educação | Foto: Jonathas Costa / OA
Os seis novos secretários anunciados hoje da esquerda para direita: Ramiro Passos, de Administração, Marcus Thiago, de Governo, Clair Gabana, de Gabinete, Airton Minhana, do Trabalho, Fernando Ramanho, de Mobilidade e Segurança, e Alexandre Virginio, de Educação | Foto: Jonathas Costa / OA

Conversas com a oposição

O futuro secretário de governo demonstrou já estar trabalhando ativamente. Segundo Marcus Thiago, a Frente Popular mantém diálogo com a oposição para articular um cenário de cooperação. “Fomos procurados e também estamos buscando ofertas de outros partidos. Há o diálogo, mas não definições”, explicou ele. Stela Farias, no entanto, procurou adiantar que todas as tratativas visam a lógica ideológica da coligação. “Em respeito a população temos que respaldar o resultado das eleições”, justificou.

Os novos nomes deverão ser anunciados na próxima semana. “A expectativa é ter o quadro de secretariado definido até o final deste mês”, adiantou Serginho. O PSB, principal aliado do PT, deverá estar representado nesta nova remessa de secretários, assim como outros partidos aliados. “Alguns cargos inevitavelmente são políticos, mas estamos preenchendo as secretarias com princípios técnicos”, explicou o prefeito eleito. Stela reforçou: “Com capacidade gerencial, técnica e política”.

Busca por investimentos

É na área de gestão que o governo quer imprimir sua marca. Serginho já avisou que deverá viajar com frequência à Brasília, assim como já fez no início do mês. “Há uma infinidade de verbas disponíveis para Alvorada que precisam ser buscadas com projetos qualificados”, explicou Serginho. Segundo Stela, o governo federal já tem garantido para a cidade R$ 100 milhões em obras do PAC II.

Dentro do programa Brasil Carinho, pelo qual a atual gestão já garantiu a construção de cinco creches públicas, Stela afirmou que mais 11 prédios podem ser construídos na cidade se assim houver interesse e capacidade de construção de projetos. “Nós vamos buscar isto e queremos entregar elas prontas no final do mandado”, disse ao afirmar que a manobra poderá liquidar com a demanda de vagas para educação infantil em Alvorada.

Gestão de austeridade

Serginho também demonstrou preocupação com a crise financeira que a prefeitura vem enfrentando. Segundo ele, o atual prefeito Carlos Brum já garantiu que ao passar o bastão para o petista, ficarão contas a pagar. “Ainda não sabemos o tamanho desse rombo, mas com toda a certeza ficará algo para nós administrarmos”, afirmou. O tom de cuidado e atenção também foi engrossado por Schumacher: “Com as receitas comprometidas em dívidas, nossos secretários terão que ter criatividade para tocar seus projetos neste início de governo”.

Apesar de descrever o cenário como “dramático”, Serginho chamou para si as responsabilidades que lhe cabem: “Não vamos ficar chorando, se há pouco dinheiro vamos buscar trabalhar da melhor forma possível com este recurso”, afirmou. “Queremos melhorar a vida das pessoas, principalmente das que moram mais afastadas do Centro, mas faremos isto dentro da realidade da situação financeira da cidade”, completou.

Fonte: O Alvoradense