Smed conclui entrega de notebooks a professores no período de retorno às aulas presenciais

Sindicato lamenta que equipamentos chegaram um ano após a solicitação e que não atendam a todos os profissionais da Educação

313
Foto: Divulgação / OA

Ao concluir a entrega dos mais de 1.700 notebooks aos professores da rede municipal de ensino durante esta semana, a Secretaria Municipal de Educação atende uma reivindicação sindical feita desde maio de 2020.

Os últimos professores contemplados, foram os da Escola Municipal de Ensino Fundamental Podalírio Inácio de Barcelos, sendo que o ato, que contou com a apresentação da Banda de Jovens Talentos da escola, teve a presença do prefeito em exercício Valter Slayfer e da secretária da educação, Neuza Machado Teixeira

Conforme o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Alvorada (SIMA), Rodinei Rosseto, a aquisição dos equipamentos não apresenta “nada de extraordinário”, além de ser lamentável que os equipamentos tenham sido entregues somente agora, “quando os professores já estão retornando à sala de aula. Mas sempre é uma ferramenta importante para a Educação”, avalia o presidente.

Contudo, o Sindicato entende que as secretárias de escola também deveriam ser beneficiadas, pois são elas quem conduzem administrativamente “muitas vezes levando trabalho para casa e lançando em seus computadores”. Para tratar do assunto, o presidente Rosseto está tentando agenda com a secretária Neuza Machado, da Smed.

Os notebooks, conforme o empenho, são 1.735 Samsung NP 550XDA – K07 BR Flash, adquiridos para a implantação do Projeto Conectividade, destinado ao trabalho dos profissionais da educação da Rede Municipal de Ensino. A compra, no valor unitário de R$ 3.990,00 e total de R$ 6.922.650,00 confere uma média de 54 equipamentos por escola.

Enquanto os professores recebem os notebooks por empréstimo (o equipamento pertence à Smed) o Sindicato ressalta que muitos dos professores, por já terem adquiridos equipamentos anteriormente para os atendimentos online iniciados ainda em 2020, preferiam o ressarcimento ou abertura de linha de crédito para qualificar seus equipamentos. “Faltou diálogo com a categoria”, avalia a sindicalista Jacqueline Esteves que segue elencando perdas “o trabalhador perdeu mais de 10% de salário nesta gestão, retirados GTS, reposição de inflação, aplicado 14% sobre o desconto previdenciário…”

Já o presidente Rosseto ressalta que a maior preocupação com a Smed, no momento, é relativa ao consumo de combustível e uso do Cartão Prime durante a pandemia, “muito maior do que no ano anterior”.