Após uma semana de vigência da Lei de Acesso à Informação, que permite a qualquer cidadão consultar dados sobre a administração pública, a procura pelo novo serviço foi baixa nos principais órgãos públicos de Alvorada. Na maioria dos casos o que faltou foram solicitações; a prefeitura, por exemplo, não registrou nenhuma visita de cidadãos.

Na prática, os responsáveis por oferecer o serviço apontam como motivo da baixa procura o fato de que parte das informações está disponível nos sites das instituições e departamentos. No caso da prefeitura de Alvorada, para a chefe de gabinete, Marcia Busato, o cidadão pode buscar informações pelo Site da Transparência.

Os salários dos servidores, aliás, estarão disponíveis no portal até o final desta semana, garante Márcia. O cenário é o mesmo na Câmara de Vereadores. Até o momento não houve nenhum aten-dimento de pedidos no guichê. De acordo com a Câmara, até o final dessa semana estará disponível no site um formulário para fazer a solicitação via internet.

Para o presidente da OAB de Alvorada, Alvides Benini, há dois principais motivos da ausência do cidadão. O primeiro é o desconhecimento da le-gislação, e o segundo é o fato de que a população desacredita no poder público. “Temos uma revolta com o governo porque, todos os dias, tomamos conhecimento de atos que nos envergonham.”

A opinião é comparti-lhada pelo professor da Faculdade Luterana São Marcos, Carlos Junqueira, que possui mestrado em Sociologia. Para ele, a baixa procura já era esperada. “É decorrência normal de uma cultura em que o exercício da cidadania, em geral, se restringe a períodos eleitorais, movido, muitas das vezes, por interesses privados”, analisa o professor.

No entanto, tanto Benini quando Junqueira acreditam que a procura deve aumentar com o tempo. “Enxergo muito nítido que há um processo de enraizamento da cidadania e da democracia”, explica o sociólogo.

Leia mais
Leia na integra a entrevista com o Sociólogo Carlos Junqueira

Fonte: Aline Vaz/ O Alvoradense