Rodinei Rosseto foi o sexto candidato a ser entrevistado ao vivo na redação do jornal O Alvoradense | Foto: Reprodução / OA

A segunda semana de entrevistas ao vivo realizadas pelo jornal O Alvoradense com os candidatos à Prefeitura de Alvorada começou nesta segunda-feira (29) com Rodinei Rosseto, do Partido Socialismo e Liberdade (PSol).

A ordem dos programas foi definida durante reunião ocorrida previamente entre representante dos candidatos. Foram três blocos de 15 minutos cada, sendo o primeiro destinado à apresentação do candidato e perguntas feitas pela equipe de redação do jornal. No segundo, destaque para as perguntas enviadas por leitores e, no último, perguntas do jornal O Alvoradense mescladas com de leitores.

Nascido em Nonoai e com passagem por Alegrete, Rosseto é servidor público municipal desde 1998, quando prestou concurso na Prefeitura de Alvorada. “Gosto daqui, fui acolhido como filho da terra e me apaixonei pela cidade”, declarou. Ele é presidente licenciado do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Alvorada (Sima).

Para o candidato, as políticas públicas, hoje, estão na contramão da cidade. “Criaram âncoras, que pararam a cidade, e não raízes, de onde ela possa se desenvolver”, compara ao complementar que é preciso mais humanidade na prefeitura, “para que vejam a população como seres humanos que são”.

Rosseto tem como vice o companheiro de partido Moisés Matusiak. Para ele, o PSol está “limpo” no cenário atual e acredita na independência para fazer a diferença em projetos políticos. Entre as principais propostas está a redução de secretarias para apenas cinco, e o corte nos salários do prefeito, vice e secretários, além da redução de CCs para apenas 80. “Tenho um perfil fiscalizador e de cobrança e junto com meu vice, que irá assumir a Secretaria de Governo, vamos trabalhar no melhor para a cidade”.

Sobre o relacionamento com a Câmara, ele acredita que se dará com muito diálogo, mas sem barganhas. “Se o apoio do legislativo fosse positivo, o governo Serginho teria dado certo, pois foi de conchavos de todos os partidos”, sentenciou.

Para ele, é preciso um pacto com a população para transformar a cidade. “Com o povo no comando através do diálogo com os Conselhos Municipais, associações e entidades. Temos maturidade para dialogar com todos.”

Assista ao vídeo do primeiro bloco:

Assim como nas demais entrevistas ao vivo, Rodinei Rosseto respondeu questionamentos dos leitores nos dois blocos seguintes. Entre os assuntos abordados estiveram as dificuldades econômicas da administração municipal, novos investidores e geração de emprego e renda, pavimentação, saúde, cheias, segurança, educação, funcionalismo, IPTU, CCs, trânsito e recursos públicos.

Ele repetiu a avaliação de outros candidatos quando disse que hoje em Alvorada falta gestão na Prefeitura, o que, para ele, trouxe para a cidade as maiores dificuldades já enfrentadas. Além do corte de Secretarias e dos salários, Rosseto se comprometeu em compor um grupo atento aos projetos federais para captação de recursos.

Para atrair novos investidores à cidade, está preparando a Sala do Empreendedor, para facilitar os investimentos no comércio, indústria e serviços. Quer ainda qualificar o Distrito Industrial além de potencializar a Prefeitura para desburocratizar o atendimento aos empresários e comerciantes.

São mais de 400 km de ruas de chão batido, pontuou o candidato que já atuou como operador de maquinário pesado na Smov. Assim, “botar o Parque Rodoviário em pé”, é um dos objetivos. “Temos ótimos profissionais para patrolar a cidade e uma usina de asfalto e usina de canos e PAVS para reativar. É primordial pavimentar a cidade”.

No quesito mobilidade urbana, voltou à importância de dar boas condições de trafegabilidade às ruas através da manutenção. Pretende também ampliar a fiscalização dos caminhões bitrens que circulam na cidade, apesar da proibição e propor rotas alternativas para as principais avenidas da cidade, inclusive com a demarcação de ciclovias.

Para o funcionamento da UPA e das UBS que estão com obras concluídas e não instaladas, diz que é essencial a realização de concurso publico para suprir a falta de profissionais de saúde.

Tanto para a solução das cheias como do acesso viário à cidade, considera a necessidade de ações conjuntas com outros municípios, para a realização de dragagem efetiva no rio Gravataí e nos arroios da cidade e para duplicação de pontes como a da Gleba e construção de um outro acesso ao shopping, que nesse caso deve ser negociado com o empreendedor.

A Guarda Municipal deverá ser deslocada aos bairros para que, em conjunto com a Vigilância Municipal e a Brigada Militar, atuem junto à comunidade em escolas, postos de saúde e praças.

Já a meta do PSol para a Educação é o atendimento, até 2020, de todas as crianças entre zero e seis anos na rede municipal e, ainda, investir corretamente os recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). “Vamos abrir concurso para merendeiras e acabar com a terceirização desse atendimento, que deve ser mais próximo das crianças”.

Assista ao vídeo do segundo bloco:

O funcionalismo foi o tema que abriu o terceiro bloco da entrevista. Rosseto denunciou que hoje as contas da Prefeitura não são abertas. “Vamos fazer uma devassa para ver onde foi gasto o dinheiro”. Ele lembrou que o Tribunal de Justiça do Estado considerou o pagamento das trimestralidade aos servidores válido, “lei essa que foi criada no governo de Stela Farias e agora tirado pelo PT”.

O motivo da população não estar pagando o IPTU está diretamente ligado à falta de serviços da Prefeitura para com o povo, acredita o candidato. “Temos que ter projetos para a cidade para os próximos 50 anos e não apenas quatro”, salientou Rosseto ao falar da gestão do trânsito e de outros problemas crônicos da cidade no que se refere a mobilidade urbana.

Ele pretende manter uma parceria com o Ministério Público, por exemplo, para realizar palestras com os servidores envolvidos na captação de recursos e fiscalização, a fim de manter um melhor controle dos recursos e dos gastos internos da Prefeitura.

Por fim, disse acreditar no potencial de crescimento e desenvolvimento de Alvorada. “Amo essa cidade, aqui crio os meus filhos, eu e minha esposa trabalhamos, temos amigos fantásticos e tenho muito orgulho do que já realizei aqui como servidor e também presidente do Sima. Queremos construir com o povo, da forma fraterna, uma Alvorada melhor”.

Assista ao vídeo do terceiro e último bloco:

O próximo candidato a ser entrevistado ao vivo será Appolo (PMDB). A transmissão começa às 10h de quarta-feira (31) na página do jornal O Alvoradense no Facebook. Perguntas podem ser enviadas pelas redes sociais ou pelo e-mail redacao@oalvoradense.com.br

Fonte: O Alvoradense