Depois de um tempo fechado para reformas o Subtê Café retorna às atividades, trazendo de volta a Alvorada toda a intensidade da Melopeia, que promete desenrolar seus fios em uma viagem pelo universo das palavras, canções e da diversidade rítmica brasileira. Melopeia é, como eles mesmos se definem, “a arte de musicar poesia”.

O grupo, cujo trabalho é completamente autoral, tem em seu repertório características da diversidade rítmica que pode ser observada em todo o Brasil, com destaque para gêneros como baião, funk, rock e blues.

Os arranjos são construídos coletivamente e de forma artesanal, delineando o som de cada instrumento – ora com leveza e suavidade, ora com densidade e força – dando privilégio aos timbres orgânicos e às vozes percussivas que se revezam entre a densidade, a força das peles e a sutileza das perfumarias, tendo o violão como principal alicerce da harmonia.

Um dos focos da composição da Melopeia é abrir portas e janelas para que suas melodias ecoem, trazendo a tônica de sua poesia ao conhecimento de todos.

Os músicos Michelle Cavalcanti, Vander de Paula e Cândido Castro prometem um show para dar graças ao sorrir e ao brincar em Alvorada.

O quê?
Show da Melopeia de Música Brasileira
Quando?
Sábado, dia 11, a partir das 22h
Quanto?
R$ 8
Onde?
O Subtê Café fica na Rua São Borja, 211

Para o domingo de Dia dos Pais a dica é ir tomar um chimarrão na Praça João Goulart e aproveitar toda a positividade da reggae music. O Primeiro Regando a Praça vai contar com as presenças das alvoradenses Instinto Roots, Yerba Santa e Verde Black que recebem a Brilho da Lata banda de Cachoeirinha.

A festa começa às 15h e se estende durante toda a tarde. Leve sua cuia que os guris irão fornecer a erva-mate para o chimarrão. Este é apenas o primeiro, mas de acordo com os organizadores até o verão o reggae irá invadir outras praças da cidade e da região metropolitana de Porto Alegre

O quê?
Primeiro Regando a Praça em Alvorada
Quando?
Domingo, dia 12, a partir das 15h
Quanto?
Gratuito
Onde?
Praça João Goulart

 

Fonte: O Alvoradense