Dos 13 mil satélites em órbita ao redor da Terra, apenas 3,5 mil estão em funcionamento. O restante continua em torno do Planeta e constitui o lixão espacial, ilustrado na imagem acima | Foto: Cosmos BR / Divulgação / OA

Você já pensou no que acontece quando um satélite deixa de funcionar? Dois mil alunos da rede pública de Alvorada poderão descobrir o que acontece com o chamado lixo espacial nos dias 4 e 5 no Ginásio Municipal Tancredo Neves.
O projeto, que iniciou em 2003, relata, além da questão do lixo espacial, a evolução do planeta Terra nos seus 4,6 bi-lhões de anos. Ilustrando os eventos geológicos, biológicos e os episódios evolutivos mais marcantes, possibilitando a compreensão da história do planeta e da evolução da vida, bem como descrevendo a história do uso da energia pela humanidade.

Através de palestras e exposições os alunos terão uma noção completa do processo evolutivo do planeta e, mais ainda, dos danos que esses processos causaram à Terra depois do surgimento da humanidade.

Durante dois dias o professor Hernán Mos-tajo, diretor do Observatório BioAstronômico de Santa Maria, fala sobre as temáticas dos lixões, aterros sanitários e lixo oceânico, e dá um destaque especial ao lixo espacial. Assunto que não é abordado em nenhuma outra palestra sobre educação ambiental é discutido pelo professor.

As palestras e exposições já foram apresentadas a mais de 200 mil alunos de escolas públicas e particulares no Estado.
O problema do lixo espacial que o professor aborda em sua palestra é inédito no Brasil e iniciou aqui no Estado depois que o primeiro fragmento de lixo espacial caiu no Rio Grande do Sul, em 1993. São 13 mil satélites em órbita ao redor do Planeta atualmente, e, destes 13 mil, apenas 3,5 mil continuam em funcionamento. Todo resto forma o chamado lixão cósmico que está em órbita ao redor do planeta.

No curso, que dura um dia inteiro, o professor Hernán fala, também, sobre o consumo consciente, e é enfático quando afirma que para salvarmos o planeta é necessária uma reformulação de nosso sistema de vida. “Ainda tem solução, mas, se não mudarmos, não haverá possibilidde de salvar o planeta” enfatiza.

De acordo com ele, a raça humana tem 50 anos para mudar radicalmente suas atitudes e restaurar o equilíbrio do planeta, salvando-o. As oficinas e palestras que acontecem no Ginásio Municipal Tancredo Neves na segunda, dia 4, e na terça, dia 5, pretendem estimular o senso crítico em relação às problemáticas ambientais; despertar a consciência da importância da preservação do meio ambiente; incentivar a busca de soluções para a melhoria da qualidade de vida; e conciliar o saber escolar ao desenvolvimento pessoal e coletivo no que diz respeito à busca da sustentabilidade.
Alvorada é 99ª cidade a receber o projeto itine-rante, que tem base em Santa Maria e que deve começar a percorrer o Brasil ainda em 2012. As palestras e exposições interativas poderão ser visitadas das 8h às 17h no Ginásio Municipal Tancredo Neves, na Av. Presidente Getúlio Vargas, 3290.

A atividade faz parte da 18ª Semana do Meio Ambiente de Alvorada e, assim como grande parte das atividades da semana, tem como objetivo conscientizar e alertar as pessoas, em especial as crianças, quanto à importância que deve ser dada à preservação do meio ambiente e co-mo praticar estas ações em Alvorada.

 

Fonte: Amanda Fernandes / O Alvoradense