ONG Pé de Chulé precisa de ajuda

Especializada em resgatar cavalos, entidade é atuante em Alvorada

1934
Foto: ONG Pé de Chulé / OA

O cuidado com o bem-estar dos animais é missão de muitas pessoas, chamadas protetores. Alguns deles se reúnem em organizações não governamentais, as ONGs, onde o trabalho se torna ainda maior e mais amplo.

É o caso da ONG Pé de Chulé, com sede na Capital, mas que atende toda a região com o resgate de cavalos. Só em Alvorada já foram 10 os animais levados para o santuário em Porto Alegre, todos eles com graves problemas de saúde, sendo que a maioria não resistiu e morreu.

“Isto porque os carroceiros, quando os animais adoecem, abandonam em qualquer lugar. Assim, quando chega até nós, é difícil recuperar”, lamenta a voluntária Karen Pereira da Silva, moradora o Jardim Algarve.

A Pé de Chulé é formada por um grupo de 15 pessoas que atua na causa desde 2015, tendo oficializado a entidade há cerca de dois anos.

Alvorada

Apesar da reunião ocorrida com o prefeito Appolo no início do ano, em Alvorada a relação com a Guarda Civil Municipal é muito produtiva, com apoio policial garantido em todas as ações, assim como também com os servidores da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, que muitas vezes recolhem e levam os animais até o santuário, “nos possibilitando economizar no tempo e deslocamento”, avalia a alvoradense.

Quanto ao apoio das autoridades, acreditam que por parte do Executivo, não há intenção de ajudar, “há muita falta de vontade política”.

“Outros municípios colaboram com soro, insumos, agulhas, ração… mas Alvorada nunca contribuiu com nada”, conta Karen.

Por outro lado estão tentando contato com a vereadora Oliane Santos (Cidadania), que se elegeu pela causa animal e foi citada pelo próprio prefeito como a pessoa a ser procurada.  Também a vereador Professora Nadir (PTB), que acompanhou a reunião com Appolo, os procurou ao final o encontro e se colocou a disposição para ajudar, contudo até o momento não houve retorno por parte do seu gabinete.

Ajuda

Resgatados em Alvorada, Maria Bonita e Guerreiro estão lutando pela vida… Outro equino alvoradense, o Pé de Pano, ainda que com sequelas dos maus tratos sofridos, é o único que tem uma vida que pode ser considerada normal.

Para que este último não seja o único sobrevivente do município é que foi lançada uma campanha de arrecadação coletiva exclusiva para Maria Bonita e Guerreira. A meta é conseguir R$ 3.500 para garantir o tratamento inicial.

Um cavalo como a Maria Bonita deveria estar pesando 400 kg, no mínimo. Ela hoje, após o resgate e já com os primeiros cuidados, pesa somente 250kg, o que para um animal deste porte é um estado de subnutrição severa.

A ONG não recebe verba de nenhuma entidade, pública ou privada, contando apenas com doações e o dinheiro arrecadado em brechós e feirinhas. Também a médica veterinária Cristina Dieckmann, assim como toda a equipe, trabalha de forma completamente voluntária, principalmente em Alvorada, “município em que mais ocorrem abandonos e maus tratos”.

“Trabalhamos por amor, mas precisa da ajuda da comunidade e das prefeituras”, afirma Karen, prevendo que chegará o momento em que a Pé de Chulé não vai mais conseguir atender, “estamos no limite”.

Para que isso não aconteça é possível ajudar, seja com doações pela internet, na página exclusiva para os cavalos de Alvorada:

https://www.kickante.com.br/campanhas/tratamento-do-guerreiro-maria-bonita

ou para a Associação Pé de Chulé nas contas:

Caixa Econômica Federal

CNPJ 35.030.574./0001-97

Conta Poupança – Op. 013

Agência 2182

Conta 9815-7

PICPAY – ONG PÉ DE CHULÉ

PIX – 35.030.574./0001-97