Cerca de 30 alunos do 6° ano do Justo acompanharam os agentes em sua ultima aula de preservação.| Foto: Amanda Fernandes/ OA

Já faz um tempo que os prejuízos causados pelo homem ao meio ambiente viraram uma preocuação. Organizações não governamentais e projetos do governo e da iniciativa privada organizam inúmeras ações para a conscientização da preservação ambiental. Uma preservação que inicia dentro de casa com a separação correta do lixo e se estende a grandes mutirões de limpeza.

Preocupado com a importância da preservação do meio ambiente, os Rotary Clube de Alvorada, Cachoeirinha e Gravataí se uniram para informar quanto à preservação dos mananciais do rio que abastece as três cidades. O Projeto Aguapé foi idealizado pelos rotarianos em 2006 e desde então se dedica à educação da população das três cidades sobre os cuidados que se devem tomar com o Rio Gravataí.

O projeto, que encerra suas atividades neste ano, comemora as conquistas. Na última quinta-feira, dia 24, quatro grandes mutirões de limpeza foram organizados às margens do Rio Gravataí, mas um, em especial, teve um “gostinho” de despedida. Três escolas, uma de cada cidade, foram convidadas para uma grande aula temática sobre a importância da preservação do manancial que abastece parte da Região Metropolitana.

Alunos tiveram aula de educação e a preservação ambiental.|Foto: Amanda Fernandes/OA

Crianças em prol da preservação

A escola de Alvorada que, segundo o Projeto Aguapé, mais lembrou das formas que o manancial deve ser preservado foi a Escola de 1° Grau Alfredo José Justo. Cerca de 30 alunos do 6° ano do Justo acompanharam os agentes e voluntários do Projeto Aguapé em sua última aula de preservação do Gravataí. Durante a atividade as crianças assistiram a palestras curtas sobre a importância do rio para as três cidades e participaram de um grande mutirão de limpeza de suas margens.
O trabalho que vinha sendo realizado com as crianças em sala de aula foi a campo e apresentou o grande manancial aos alunos. A união dos Rotary das três cidades proporcionou aos alunos a experiência de ver e participar na prática do trabalho que as professoras iniciaram em sala de aula. Parte dos alunos percorreu as margens do Gravataí recolhendo todo o lixo que encontrava. Outros embarcaram nos três barcos do projeto e fizeram um passeio em que receberam orientações sobre a preservação.

O projeto percorreu escolas promo-vendo a educação e a preservação. O sargento Valdez, secretário do Rotary Clube de Alvorada, alertou as crianças quanto à importância da preservação: “Esse não é o Gravataí que eu conheci, quando eu era criança era possível tomar banho nesse rio. Temos que trabalhar para que os filhos de vocês possam voltar a aproveitar as belezas que ele tem”, incentivou. O projeto se encerrou, mas o que foi conquistado até agora deve prevalecer. O trabalho intenso destes seis anos de projeto pôde ser visto refletido nas crianças que aprenderam a preservar o meio ambiente e nas prefeituras e secretarias municipais das três cidades que garantem a continuidade do trabalho.

A preservação é um trabalho de todos e deve fazer parte da casa, da escola e da vida de cada um. Como mencionou o mascote da reciclagem, o Reciclation, enquanto interagia com as crianças, “se cada um fizer um pouquinho, a gente pode conseguir um montão e, aos poucos, mudar as paisagens que nos cercam.”

Fonte: Amanda Fernandes/O Alvoradense