Já é a quarta semana consecutiva que Porto Alegre se mantém no topo, dentre as sete capitais, em pesquisa do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC S), realizada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Dados divulgados nesta quinta-feira (24) registram uma variação de 1,11%, na apuração realizada na terceira semana de abril. O resultado foi 0,04 ponto percentual (p.p.) inferior ao divulgado na segunda semana anterior, que foi de 1,15%.

A pesquisa mostra que a alimentação continua a exercer forte pressão na inflação. Tanto os gêneros alimentícios (comprados para consumir em casa), quanto na alimentação fora de casa tiveram acréscimo nos preços.

O leito longa vida disparou 12,49%. O tomate, segue como um dos vilões da inflação com alta de  21,04%. Os ovos também apresentaram acréscimo de 15,97%.

Nesta edição, três das oito classes de despesa do índice apresentaram desaceleração em suas taxas de variação, entre elas: educação leitura e recreação, comunicação. Suas taxas tiveram redução de 1,09% para -0,31%, e de 0,06% para -0,07%, respectivamente.

A análise deste resultado mostra que as pressões acima da variação média foram exercidas pelos grupos: alimentação; 2,61% e vestuário; 1,63% e as famílias de baixa renda são as que mais comprometem o orçamento com a compra de alimentos, sendo, consequentemente, as que mais sentem esta variação.

A pesquisa também mostrou que a variação média da saúde e cuidados pessoais, transporte, habitação, despesas diversas, comunicação e educação, leitura e recreação se situaram em nível abaixo da variação média.

Fonte: Agência Brasil