Milhares de manifestantes tomaram o Centro de São Paulo nesta quinta-feira no quarto dia de protestos | Foto: Mídia NINJA/Especial OA
Milhares de manifestantes tomaram o Centro de São Paulo nesta quinta-feira no quarto dia de protestos | Foto: Mídia NINJA/Especial OA

A noite desta quinta-feira foi marcada por intensos protestos contra o preço da passagem do transporte coletivo em pelo menos oito cidades do país.

Convocados pelo Facebook, as manifestações ocorreram em São Paulo, Porto Alegre, Santarém, Santos, Natal, Rio de Janeiro, Maceió e Sorocaba.

• FOTOS: Veja imagens dos confrontos em SP

Em São Paulo o protesto foi maior e marcado por intensos confrontos entre manifestantes e a polícia. A multidão se concentrou em frente ao Teatro Municipal para a quarta manifestação contra o aumento da passagem, que subiu de R$ 3,00 para R$ 3,20 no início do mês.

Dezenas de pessoas foram detidas dela Polícia Militar (PM). A polícia alega que eles estavam portando facas e drogas. Entre os detidos estão um repórter da revista Carta Capital e outro do Portal Terra.

Não há números oficiais, mas muitas pessoas ficaram feridas ao longo da noite. Dois jornalistas da Folha foram baleados no olho com balas de borracha. Ao todo, seriam sete os repórteres do jornal feridos nos confrontos.

Em Porto Alegre, mesmo após a garantia da redução da tarifa de R$ 3,05 para R$ 2,85, os manifestantes voltaram às ruas em apoio aos atos no Sudeste do país. No Centro contêineres foram incendiados e agências bancárias foram depredadas por parte dos manifestantes. A maioria dos atos de vandalismo foi repreendida pelos demais estudantes.

No Rio de Janeiro os protestos foram menos violentos, assim como em Natal. Não houve depredação de lojas ou bens públicos ao longo do trajeto. Os manifestantes carregavam cartazes contra o preço das passagens e também criticando a opção de se investir grandes somas de recursos em obras para a Copa do Mundo e as Olimpíadas.

Polícia Militar e manifestantes travaram confrontos ao longo da noite | Foto: Mídia NINJA/Especial OA
Polícia Militar e manifestantes travaram confrontos ao longo da noite | Foto: Mídia NINJA/Especial OA

Fonte: O Alvoradense