Comercio ainda não definiu posicionamento sobre a paralisação de quinta-feira | Foto: Jonathas Costa/OA
Comercio ainda não definiu posicionamento sobre a paralisação de quinta-feira | Foto: Jonathas Costa/OA

A paralisação nacional agendada para a próxima quinta-feira (11) deve afetar diversos setores da economia em todo o país.

Os sindicatos, que organizam as mobilizações, evitam falar em greve. A data é chamada de Dia Nacional de Lutas.

• SERVIÇO: Saiba o que não funciona

Em Alvorada o Sindicato dos Rodoviários garante que não haverá ônibus ao longo de todo o dia. A entidade espera adesão de motoristas e cobradores das linhas municipais, da empresa Val, e metropolitanas, realizadas pela Soul.

O Sindicato dos Servidores Municipais de Alvorada (Sima) também confirmou adesão à paralisação e espera contar com a participação de professores, agentes de saúde e servidores das secretarias da prefeitura.

O Sindicato dos professores do Estado (Cpers) já havia confirmado participação no ato ao longo da semana, o que deve afetar as doze escolas estaduais de Alvorada. Com a adesão do Sima, as 24 escolas municipais também podem não funcionar na quinta-feira.

Durante a tarde desta terça-feira (9) as agências bancárias de Alvorada garantiram que o expediente na quinta seria normal. Uma nova orientação do sindicato da categoria foi divulgada à tarde, garantido que também os bancários vão cruzar os braços no dia 11.

Manifestação
Uma nova manifestação também é organizada para acontecer na quinta-feira em Alvorada. Após um bem sucedido protesto levar três mil pessoas para às ruas na cidade em junho, um novo ato marcado para o dia 1º de julho acabou frustado.

O evento desta quinta conta com pouco mais de 200 confirmações e está marcado para acontecer a partir das 19h. Mas, diferente do dia 1º, as paralisações podem contribuir para a adesão de mais pessoas ao ato na última hora.

Fonte: O Alvoradense