Os partidos políticos tem até as 19h de sábado (05) para solicitar o registro de suas candidaturas. Os candidatos aos cargos de presidente e vice-presidente devem ser registrados Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Já os candidatos a governador e vice-governador, senador, deputado federal e estadual devem fazer seus registros no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do estado em que irão concorrer.

O primeiro a registrar a candidatura no TRE-RS foi Tarso Genro, que concorre à reeleição. O atual governador esteve ontem (02) no tribunal acompanhado de Abgail Pereira (PCdoB), sua vice, e do candidato ao Senado, Olívio Dutra (PT). A chapa majoritária foi intitulada Unidade Popular pelo Rio Grande. Após o registro, Tarso foi recebido pelo diretor-geral do TRE, Antonio Augusto Portinho da Cunha.

Hoje, às 15h, a Frente de Esquerda ingressará com o pedido de registro de Roberto Robaina (PSol), candidato a governador, sua vice, Gabrielle Tolotti (PSol), e o candidato ao Senado, Julio Flores (PSTU).

Nesta sexta-feira (04), PMDB e PDT apresentarão suas solicitações de registro. O PMDB entrega o pedido às 10h, com a presença dos candidatos a governador José Ivo Sartori (PMDB), a vice José Paulo Cairoli (PSD) e a senador Beto Albuquerque (PSB).

O registro do PDT está marcado para as 11h com presença dos candidatos a governador Vieira da Cunha (PDT), a vice Flávio Gomes (PSC) e a senador Lasier Martins.

No sábado, às 11h, o PP deve registrar as candidaturas de Ana Amélia Lemos (PP) ao governo, Cassiá Carpes (SDD) como vice e Simone Leite (PP) ao Senado.

Também no sábado, o PRTB projeta registrar a candidatura de Edison Estivalete Bilhalva (governador) e Hermes Aloísio de Souza (vice). O mesmo deverá ocorrer com o PCB, que registrará Humberto Carvalho (governador) e Nubem Medeiros (vice). Haverá ainda o registro da chapa do PMN, com João Carlos Rodrigues (governador), Roberto Wilobre (vice), e Rubens Goldemberg, do PRP, que concorrerá ao Senado.

Sem acordo com TRE, partidos mantém cavaletes
A corrida pelas urnas nem bem começou, mas a propaganda política já tem causado polêmicas entre os partidos e o TRE. Representantes de oito partidos com candidaturas próprias ao governo gaúcho rejeitaram a proposta de acordo feita pela Justiça Eleitoral para banir cavaletes durante a campanha de 2014. O objetivo da medida, válida de início para a Capital, era evitar a poluição visual e a produção de lixo.

A promessa, em convênio feito entre o TRE e o DMLU, é de que no dia da eleição a limpeza ocorra de forma antecipada, e não após o término do pleito. A principal meta é evitar que santinhos jogados no chão em locais de votação permaneçam na rua durante o deslocamento dos eleitores às urnas. Se for despejado por militantes o material deve ser recolhido até as 10h.

A EPTC também estabeleceu parceria com o TRE e os agentes estão orientados a recolher veículos que promovam propaganda eleitoral irregular. Um dos exemplos é o de automóveis estacionados, propositalmente, próximos a locais de votação.

Fonte: O Alvoradense