Quem tem o hábito de ir ao supermercado tem percebido que nos últimos dias cada ida às compras pode ser uma nova surpresa. Encontrar preços de alimentos maiores do que a última ida às compras é uma realidade de todos os lares brasileiros.

Considerados a âncora do Plano Real nos primeiros anos de estabilização da economia, os alimentos passaram de mocinhos a vilões e, cada vez, mais corroem o poder de compra da população.

Os dados do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), calculados pelo IBGE e considerados a inflação oficial do país, não deixam dúvidas.

Carnes, frutas e verduras lideram o ranking de aumentos nos últimos dias e as projeções dos economistas não são nada animadoras. De acordo com especialistas a tendência é que os preços continuem subindo.

Estudos apontam que com o passar dos anos os alimentos ficarão cada vez mais caros. Um dos pontos levantados pelos especialistas como uma das razões para o aumento de preços são as exportações que enxugam a oferta no mercado interno. Tanto agricultura quanto pecuária são, hoje, voltadas para exportação. Isso acaba expulsando a produção que era destinada para o mercado interno.

As refeições em bares e restaurantes tiveram alta de 1,70%. Somente o sorvete aumentou 9,33%. Também são destaque o crescimento do suco de frutas, 2,51%, doces e salgados, 1,72%, e cerveja e chopp, 2,53%. A boa notícia é que o cafezinho teve deflação de -1,14%.

Fonte: O Alvoradense