Stela deve anunciar que disputará prefeitura de Alvorada nos próximos dias | Foto: Marcelo Bertani / Agência ALRS / OA

Faltando pouco mais de 140 dias para o início da campanha eleitoral, o cenário político em Alvorada segue incerto. Vários nomes estão colocados como pré-candidatos a prefeito, mas tudo ainda pode mudar.

A principal indefinição gira em torno da deputada estadual Stela Farias (PT), que pode disputar pela quarta vez a Prefeitura. Sua decisão é entendida como a jogada definitiva no tabuleiro da disputa, já que a partir dela definiriam-se os apoios de partidos como PDT e PSB, e, por consequência, a estruturação da oposição, com PTB e PMDB.

A partir desta quinta-feira (24), quem pretende concorrer no pleito tem uma semana para filiar-se ao partido pelo qual pretende enfrentar a disputa. O prazo é o mesmo para a troca de sigla. Na semana passada, por exemplo, o vereador Schumacher confirmou, em entrevista ao jornal O Alvoradense, que não deixará o PT.

Também no dia 2/4 acaba o prazo da desincompatibilização, ou seja, interessados em disputar as eleições não podem ocupar cargos de ordenadores de despesas, como nas secretarias municipais, por exemplo.

Apesar de discursos pouco conclusivos por parte das principais lideranças políticas, O Alvoradense apresenta abaixo o cenário de momento em cada um dos principais partidos da cidade a partir de informações colhidas ao longo dos últimos dias:

PT
O prefeito Professor Serginho não tem apoio para disputar a reeleição. O partido aguarda a decisão da deputada estadual Stela Farias, que tem forte aceitação dentro do partido, para ser a candidata à prefeita. Stela, contudo, ainda não definiu sua posição. Sua resposta é aguardada para o final de março. Caso decline do convite, o nome mais forte que surge na disputa é do vereador Cristiano Schumacher, que desde 2013 se colocou como opositor de Serginho.

A crise nacional, que atinge fortemente os petistas, é vista como desafiadora, mas não determinante dentro do partido. Há o entendimento que em Alvorada ainda prevalece uma aceitação grande do PT. Pesquisas internas teriam apontado que os problemas de popularidade enfrentados por Serginho não atingiram Stela. Caso ela aceite participar da disputa, terá enorme desafio pela frente. Será preciso colocar-se distante de Serginho, sem, contudo, criticá-lo abertamente.

PDT
Geovani Garcia se colocou como pré-candidato. Ele disputa com Valter Slayfer a indicação do partido. A sigla está dividida e aguarda a decisão de Stela. Caso a deputada aceite ser candidata, o PDT poderia indicar um vice, que neste caso poderia ser Tiano Caduri. Ele contaria com o apoio de Valter e o vereador Preto, o que somaria maioria dentro da direção do partido. O PT também tem preferência pelo nome de Tiano como candidato a vice.

Em compasso de espera, o partido acabou decidindo não deixar a base do governo Serginho, como queriam algumas alas, e tudo indica que deve estar coligado com o PT em outubro. Se Stela declinar e o PT fechar consenso em torno de Schumacher, o apoio dos pedetistas não está confirmado. Em uma hipótese mais distante, poderiam ser vice do PTB. Neste caso, assim como os petebistas, o partido teria que explicar porque disputam na oposição se até agora faziam parte da base.

PTB
O partido deixou a base do governo Serginho no início do ano. Desde então, a candidatura de Professora Nadir é tida como irreversível. O partido está unido em torno do nome da vereadora, que busca um candidato a vice. Nadir já teria manifestado interesse em Tiano, para fechar uma coligação com o PDT. Ainda assim, com o declínio de Schumacher em deixar o PT e ir para o PMDB, petebistas e peemedebistas podem liderar o bloco da oposição na disputa.

PMDB
Apollo articulava a ida de Schumacher para o partido, posição que acabou gerando uma crise no partido. Os vereadores Júlio Bala e Irmã Sara não escondiam de ninguém seu desconforto com a situação e já preparavam as malas para deixar a sigla. Como Schumacher ficou no PT, Bala e Irmã Sara não devem deixar o PMDB. Ainda assim, o cenário interno é de reconstrução. Nos últimos dias, os nomes de Irmã Sara e do próprio Apollo surgiram como indicação do partido para disputar a prefeitura, mas não há definição.

DEM
Douglas Martelo é o candidato a prefeito. O consenso em torno do seu nome já foi tomado a vários meses. O partido busca agora organizar uma coligação forte que dê sustentação à candidatura. Neste sentido, tem conversado com o PSD, por exemplo. Outras siglas menores no município, principalmente voltadas ao campo da direita, podem juntar-se ao projeto e montar um ‘blocão’ que tentará atrair o empresariado da cidade.

PSOL
Novidade nas eleições deste ano em Alvorada, o partido de esquerda deve ter candidatura própria. O nome do presidente do  Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Alvorada (Sima), Rodinei Rosseto, continua fortemente cogitado para encabeçar a chapa. Oficialmente a diretoria trabalha com outros quatro nomes, além do de Rosseto. A decisão deve ser tomada em junho. A sigla também tentará garantir pelo menos uma vaga na Câmara de Vereadores.

Fonte: O Alvoradense