Os quadro policiais militares suspeitos de pertecerem a um grupo de extermínio com atuação em Alvorada  podem ter prorrogados o pedido de prisão por mais trinta dias. O atual prazo vence no final desta semana e, caso não haja solicitação de prorrogação, os suspeitos podem ser liberados.  A fim de evitar a soltura, o delegado Wagner Dalcin, responsável pela investigação, deve realizar o novo pedido até sexta-feira.

A principal acusação que recai sobre o grupo é a autoria de uma chacina em 13 de julho do ano passado em Alvorada, quando quatro pessoas foram mortas. Ainda assim há outros crimes, ainda em investigação, que também podem ser atribuídos ao Pelotão da Morte.

A polícia já ouviu cerca de 20 testemunhas e já obteve imagens do circuito interno de vídeo do estabelecimento comercial de uma das supostas vítimas dos policiais. A suspeita é de que até doze policiais possam fazer parte do grupo de extermínio.

 

Fonte: O Alvoradense