sábado, 4 de julho de 2020
- PUBLICIDADE -

Tópico: Marcito Luz

De novo o velho e surrado discurso?

Considerando o ecletismo que é a atual composição do secretariado e cargos do atual Executivo municipal, quase todos estão instalados no governo: setores da imprensa da cidade e integrantes que participavam da base de apoio do governo anterior. A bizarria é tão grande que tem até secretário que foi oponente direto do atual prefeito, para posar de herói e evitar "parcelamento de salários”. A justificativa também é conhecida, pois quase todos dizem atuar “pelo bem da cidade”. Não tardou muito, e agora o primeiro passo do governo “dos bons” é a reforma administrativa. A fórmula de imposição vem na calada...

Talião à alvoradense?

Será verdade que a maioria das pessoas admite apoiar a Lei de Talião? Surgida aproximadamente no ano 1772 antes de Cristo e escrita pelo Rei Hamurábi na mesopotâmia, atual sudoeste do Irã, essa lei implica na rigorosa reciprocidade entre o crime e a pena se ser aplicada. É justamente daí que surgiu a máxima “olho por olho, dente por dente”. A vingança e a retaliação são suas variantes mais comuns. Dito isso, o que podemos dizer sobre o Brasil? O antropólogo Roberto DaMatta mostrou no clássico Carnavais, Malandros e Heróis: para uma sociologia do dilema do brasileiro, que sofremos de...

De novo a conversa fiada sobre o “golpe”?

Os movimentos pela derrubada da presidenta, não foi coisa só de “coxinha”

A luta entre o arcaico e o moderno

Lembro que trabalhava na Escola Paulo Freire e era professor de geografia no noturno, no ano de 2005 ou 2006. Naquele ano fui colega de trabalho da Verena Perotto que rapidamente ocupou a secretaria da escola, uma pessoa sensacional que, após alguns meses, me contou sobre suas experiências enquanto presidenta do Sima e, principalmente, como vereadora e Secretária de governo. Hoje está aposentada. O que não lembro, com exatidão, foi o por que cargas d’água eu e o grupo de professores e funcionários fomos parar na Câmara de Vereadores. Provavelmente esteve em pauta alguma votação de projeto relevante para...

A superação do limite do ridículo

É verdade que, ao escrever esta coluna, a interação com algumas pessoas acabam influenciando. Isso acontece por um motivo simples: essas pessoas me fazem pensar. Uma delas é meu colega Marcelo Rios que, no recente encontro entre professores de Geografia da rede municipal, propôs o debate sobre o Escola Sem Partido e as críticas à tese da doutrinação dos estudantes, nas salas de aula. O mais interessante, em sua exposição, foram os debates que gerou e a posição praticamente unânime de rechaço ao movimento. Afinal de contas, como é que pode um movimento desses ganhar tamanha dimensão? Afinal de contas, cabe...