O Tribunal de Contas do Estado (TCE) confirmou nesta quinta-feira que está realizando uma inspeção extraordinária nas contas da prefeitura de Alvorada e contratos com a PPG Comunicação e Marketing. Um balanço parcial apontou o valor das supostas despesas irregulares do prefeito João Carlos Brum (PTB). “Se confirmadas as suposições de irregularidade, o prefeito deverá realizar um débito de R$ 2,5 milhões para a cidade”, explicou a assessoria de imprensa do TCE.

A inspeção foi solicitada pelo Ministério Público (MP) para complementar as investigações da Operação Cartola, realizada pela Polícia Civil. No documento são reafirmadas e aprofundadas as investigações de irregularidades apontadas no decorrer da operação, como fraude ao processo licitatório, irregularidades nos contratos com empresas terceirizadas, despesas pagas sem comprovação dos serviços realizados e pagamento de eventos variados com recursos do salário-educação.

Foram auditadas contas da prefeitura além dos contratos com a PPG Comunicação e Marketing entre 2006 e 2010, restando ainda sob análise do TCE de documentos do ano passado.

Prisão

A Policia Civil remeteu o inquérito da Operação Cartola ao MP no início desta semana. O documento possui 20 volumes e cerca de 4.500 páginas.  A polícia sugeriu ainda a responsabilização penal de chefes do Poder Executivo, servidores públicos, empresários e outros envolvidos, entre eles o prefeito de Alvorada, João Carlos Brum. A polícia também solicitou que sejam tomadas outras medidas cautelares de prisão preventiva, afastamento do cargo e quebra do sigilo bancário e fiscal de alguns dos envolvidos.

Após as declarações da PC, João Carlos Brum afirmou estar indignado com a recomendação da sua prisão pelo delegado Joerberth Pinto Nunes, da Delegacia de Polícia de Repressão aos Crimes contra a Fazenda Estadual (Defaz), do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

 

Fonte: O Alvoradense